Guerra ao coronavirus

Guerra ao coronavirus

Ouvimos e lemos que muitos governantes fabricam armas, foguetões, bombas e tantas outras armas que dizem serem necessárias para dar segurança, garantir a paz nas nações que governam.

São de muitos biliões os negócios de armas. Armas que são desnecessárias e inúteis nesta pandemia que nos ameaça.

Estamos de Quarentena e em Quarentena vamos continuar, certamente por muito mais tempo.

Quarentena que determina ficar em casa. Pede e exige hábitos de vida que pensávamos nunca vir a ter, como mudar tradições de convívio de cumprimentar amigos sem aperto de mãos, de conversar à distância de dois metros, não beijar, impedir de sair de férias, frequentar feiras, convívios de café, até atos de culto religioso. Determina permanecer em casa dias continuados, semanas sem fim, que até podem ser meses.

E tudo o que nos é recomendado e imposto é necessário. Necessário para nosso bem. Para segurança da nossa saúde e da saúde dos outros.

A nossa segurança, a nossa saúde está ameaçada, posta em iminente e silencioso perigo, por um bichinho, tão pequenino, tão insignificante, tão reduzido que só observado e estudado por microscópio eletrónico.

Bichinho que passa fronteiras entre países, viaja levado, entra onde não é desejado, onde é detestado, parasita que se aproveita de outros, que se apodera das nossas vidas e nos põe em sofrimento.

Bicho tão pequeno, tão maldito que nos veio trazer insegurança e medo.

O coronavírus.

De nada servem os arsenais de armas fabricadas com custos que pesam nos orçamentos. De nada servem as armas inventadas por inteligentes engenheiros. Negociadas para dar segurança aos cidadãos. Dizem-nos!…

Um bichinho de tamanho insignificante, só visto por microscópio eletrónico, arrastou o mundo para a insegurança, para o medo. Insegurança onde também estão as grandes potências militares fabricantes de armas, sem meios para lutar e vencer esse microscópico vírus.

Seria mais seguro ter fábricas e ter universidades a estuar remédios de vencer o vírus que nos traz ameaças de morte.

Mais sensato e útil seria ter fábricas a fazer equipamentos que nestes dias se tornaram de absoluta necessidade para vencer as ameaças desse coronavírus.

Nesta luta contra coronavírus temos a dedicação dos médicos, enfermeiros, técnicos de saúde, bombeiros, polícias, operacionais de higiene e de desinfestação. São estes os militares das linhas avançadas e de maior risco.

São estes, hoje, os nossos militares das linhas da frente que nos dão segurança, assumindo o perigo, conhecedores e conscientes desse perigo.

São os funcionários e os cuidadores dos lares de idosos e dos lares de pessoas com deficiência, porque estão nesta luta na defesa dos mais vulneráveis.

São estes os que nos defendem do coronavírus perigoso e nos dão segurança e confiança.

Gratos a estes lutadores. Respeito e gratidão.

Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.